26 junho 2017

              Eu a vigiava mais uma vez pela vidraça que me permitia ver todo aquele cômodo branco, me apertava o coração ver seguidas vezes seu corpo tão fraturado daquela forma. Ela não emitia movimento algum, sequer havia aberto os olhos desde que sairá de uma cirurgia de emergência. Os médicos diziam que ela havia entrado em coma e que talvez não fosse resistir a gravidade dos ferimentos, toda vez que eu pensava nessa possibilidade, meus olhos se enchiam de lagrimas sem minha permissão e eu me pegava soluçando por pensamentos descontrolados da minha mente.

                Eu me culpava por vê-la daquela forma, eu me culpava por ela estar tão vulnerável, eu me culpava por não poder salvá-la. Foram noites sem sequer pregar os olhos, eu não me permitia descansar sem que ela estivesse bem e ao meu lado.

— Eu posse vê-la? – Perguntei ao médico que saia do quarto com uma prancheta nas mãos, ele me fitou com uma aparência tão cansada e um semblante tão severo, e então suspirou. –

— Sim, mas peço para que não faça barulhos ou sequer aperte a paciente, ela ainda está vulnerável aos ferimentos. – Ele me responde, então seguindo para a direção esquerda ao corredor. –

                Eu queria ser forte o suficiente para entrar lá dentro e não desabar, mas não seria dessa forma e eu sabia disso. Assim que toquei a maçaneta podia sentir um nó se formar em minha garganta, e então eu sentir a lufada do ar gélido que ali pairava e um cheiro forte, e lá estava ela, era doloroso encarar ela daquela forma e saber que quem deveria estar ali era eu e não ela.

                Portanto, sentei-me lá ao seu lado e observava sua expressão pálida e contida, sem sequer um movimento ou um sorriso alegre que eu tanto amava.

— Oi? – Disse logo após um tempo em silêncio por contempla-la. – Eu não consigo imaginar o que está sentindo nesse exato momento... – Toquei sua mão toda arranhada e com manchas. – Mas acredito que toda consequência que está passando é por culpa minha. – Um nó havia se formado em minha garganta e meus olhos estavam húmidos mais uma vez. –
Aproximei meus lábios das costas de sua mão lhe deixando um beijo longo e mais delicado possível.

— Pedir perdão, não vai trazer você de volta e muito menos pedir desculpas vai fazer essas feridas sumirem do seu corpo, mas nenhuma dessas feridas são tão grandes comparadas a qual fiz em seu coração.
                As lagrimas caiam, sem sessar, eu já me via soluçando ajoelhado a seu leito.
— Eu faria de tudo pra voltar na noite em que nos conhecemos e... fazer tudo diferente. – Desabafei com a voz embargada por conta do choro. – Me leve de volta para o passado Cassy... sem dúvidas aquela noite você mudou minha vida.

Tecnologia do Blogger.

Pesquisar este blog

Qual genero vocês gostam?

Seguidores